17 de fev de 2015

Coisas do Japão - Burakumin - Os descriminados

Yoo' Pessoas \ô/


Aloha Família. Cachecol aqui nessa tarde sem sol porém com um mormaço que está matando quem ousar sair de casa, e hoje nessa terça dia de Cosias do Japão vou trazer uma triste historia do Japão que está morrendo com um tempo, mas antigamente era muito ruim. 

Quase ninguém conhece esse termo "Burakumin" até porque é algo que o Japão não quer que muitos saibam, Burakumin é um grupo de japoneses que sofre uma discriminação enorme pela sua própria etnia pelo fato de como o nome no seu significado seria algo como "Povo da Aldeia", eles são os representantes da classe mais baixa do Japão, desde o período medieval são designados para fazer os piores serviços, entre eles preparar os corpos para os funerais, limpar as entranhas dos animais caçados e coisas piores nesse sentido, a maior época de discriminação aconteceu durante o Período Tokugawa 1603 - 1868 quando foram considerados "pessoas sujas e impuras" segundo a filosofia xintoísta por causa dos seus serviços, de moradores e pessoas comuns passaram a ser a "escória" da sociedade e foram obrigados a viver em guetos. 

Por serem chamados e considerados por todos os "impuros" eles não trabalhavam nas lavouras de arros pelo fato de que todo mundo sabe pros japoneses arroz é um alimento sagrado, nessa época era muito fácil reconhecer um Burakumin além de viverem em guetos as roupas que vestiam eram facilmente identificadas. Mas com o fim desse período e o início da reforma Meiji, os burakumin tiveram a permissão para morar fora dos guetos, mas como nem tudo é flores a descriminação continuo isso é um mal que é difícil de matar é estimado que atualmente existam 3 milhões de burakumin que é mais ou menos 2% da população japonesas. 

Grande parte desse povo opta por esconde sua origem por causa do preconceito e também tem o problema de que podem não conseguir um bom emprego ou se casar, tem historia de que as famílias investigam o histórico familiar para evitar casamentos com burakumins, e isso não é o pior tem uma historia muito famosa de que uma mulher apos da a luz ao seu filho descobriu que o pai dele era um burakumin e se recusou a tocar no filho por considera ele sujo e depois voltou pra casa dos pais assim deixando o filho e o marido pra trás. Não só isso mas ainda hoje existe muitas empresas que investigam o histórico familiar dos funcionários, caso tenha alguma origem de burakumin não é aceito no emprego além de que isso manchar sua reputação pra sempre, aliás existe uma lista negra com 600 páginas, contendo dados sobre comunidades de burakumin que circulou muito por empresas durante os anos 80 porém a lista foi proibida de ser usada pela ONU e os defensores dos direitos humanos. ai também quer maltratar demais né, ter uma lista... 

No entanto por mais que isso seja ruim, isso veio diminuído muito no Japão, hoje em dia poucos sabem disso, graças a falta de conhecimento pelas gerações mais novas é claro, e também pelo ensino obrigatório que não aborda isso nas escolas, tudo no intuito de que os Burakumin tenham uma vida mais tranquila, e também no trabalho isso vem acabando, mesma que ainda tenha em algumas empresas, muitos lugares isso morreu, e lugares com cargos altos, como exemplo o Toru Hashimoto que já foi governador de Osaka e hoje é prefeito de Osaka, E isso é o certo a se fazer, melhor já era pra ser feito a muito tempo, temos que nos respeita e amar o próximo, para com isso de descriminação por qual quer coisa. 

Então isso é tudo pessoal
Fonte: Japão em Foco 
Obrigado por esta no meu blog.
E pra você que esta lendo esse post, sinta-se abraçado pelo Cachecol :3
Ps. Eu falei que também iria trazer alguns assuntos mais sérios sobre o Japão.

0 comentários:

Postar um comentário