Sera que a magia do anime acabou?


Já iniciei diversos textos aqui, falando de que cansei dos animes, que não me considero mais um otaku, ando seletivo nas escolhas dos animes da temporada e dai por diante. Esse post não vai ser diferente, vamos seguir com essa linha de raciocínio, só que diferente dos mil outros textos que já escrevi, quero nadar em mares mais profundos e dizer um pouco sobre o que um anime trazia pra mim anos atrás e o que é o anime hoje em dia.


Pra falar sobre sensações ao assistir um anime, temos que voltar pelo menos uns 12 anos atrás, quando eu era bem pirralho, 13 ou 14 anos de idade, que só queria saber de ler e jogar joguinhos de browser, até que com tanto tempo livre, fui colocado por livre e espontânea pressão dos meus pais em um curso de web designer, já que naquela época era o emprego do momento, eu sairia do curso milionário, no entanto cá estamos nos né. Nessa época eu conheci uma garota que me introduziu ao universo dos animes com Fullmetal Alchemist, e hoje sabendo da quantidade de anime que poderia me indicar pra assistir pela primeira vez, confesso ficar muito feliz por ver FMA e não tantos outros ai. 


Eu perdia horas e mais horas assistindo animes só pela curiosidade de saber o que aconteceria, plot twist não via em fim de temporada, na verdade era cada um no fim de cada episódio. Tudo era mais fácil de se entender, lado do bem contra o lado do mal e quem ficar por último de pé ganhava, ou aqueles romances de três temporadas que não tinha um beijo mas você estava lá firme e forte acompanhando tudo. Em FMA aprendi coisas que só fui entender na escola anos depois, além de quem aprendi sobre decisões e coisas da vida também muitos anos depois. E talvez foi uma das épocas de ouro mais significativa da minha vida, pois além de FMA, eu conheci: Bleach, Fairy Tail, One Piece, To Love Ru, Clannad entre outros vários animes e como esses animes eram incríveis e mexiam tanto comigo, Clannad está ai como exemplo vivo, eu tenho trauma de animes de drama por causa dele e toda vez que assisto alguns episódios avulso eu choro de soluçar...


E ai chegamos em 2021, onde os animes mais parecem serem feitos por robô pra vender, claro que tem obras como Boku no Hero e Attack on Titans que trás toda uma questão de sociedade e sonhos ou até questões politicas e fala bem sobre racismo, esses animes são bons, porém são uma curva fora da linha, talvez além até diga "Ah mas você só está falando disso porque são animes famosos, vai atrás de algum desconhecido" e olha eu até fui, dos animes que lançaram esse ano, eu peguei por exemplo 86, que tem toda uma pegada de mistério, guerra e 85 distritos vivendo bem enquanto 1 distrito sofrendo bastante, esse anime que tinha tudo pra ser bom, ele só decaiu, ele só se aceitou viver de clichê e cair no esquecimento de uma galera e estou falando dele, pois foi um dos que mais teve marcação de dropado pela história não se desenvolver tão bem. 


Então quando acontece essas coisas, eu me vejo numa dúvida, se é eu que estou mais seletivo e querendo encontrar aquele anime que toque no meu coração como antigamente, ou os animes e todo o universo otaku está mudando e eu não estou conseguindo acompanhar isso? Digo isso trazendo a questão dos ecchis, antigamente eu amava ver ecchi, pois gostava das piadas e toda essa ideia de sensualidade que a obra trazia, hoje em dia eu não consigo diferenciar ecchi de hentai... Pois virou normal ser tão agressivo assim, pois ai tem mais conteúdo comercial pra vender. Um exemplo de anime que foi sendo transformado com essa mudança é To Love Ru, primeira temporada é super divertida, porém foi andando com os anos e veja a ultima temporada agora, é um hentai disfarçado de ecchi. 


Espero um dia mudar esse meu pensamento sobre os animes, pois mesmo sendo chato pra ver anime hoje em dia, tem algumas obras como por exemplo Darwin's Game que assim que descobri da existência eu assisti tudo em dia só, entre outros animes isekai que também conseguem me prender, só não colocar loli com orelha e rabo de algum animal que já tem 80% da minha atenção.

Um comentário:

  1. Assim Hiro, vou dizer uma coisa que vai doer, porque dói em mim também: animes não são feitos pra pessoas da nossa idade mais, claro que podemos entrar em diversas discussões demográficas de que "há animes para adultos" e tudo mais, mas sabemos que não é tão verdade assim quando o mercado demanda também um gênero específico dentro dessas demografias.
    Cada dia me perco mais em animes antigos, vários que eu assisti e agora reassisto com o olhar de uma pessoa mais crítica, que entende melhor as nuances (ou a falta delas), e sinceramente, é complicado, porque novamente, animes não são mais feitos para nós, eles tem seu público próprio que consomem e gostam disso, portanto no fim estamos sendo apenas o velho ranzinza que dizia que no nosso tempo era melhor.
    Porém, creio que atualmente tem se arriscado bastante, tem animes, de nomes menos notáveis, que tem trazido ar fresco para essa indústria tão segmentada em cima de produtores e seus desejos. talvez seja uma busca e tanto encontrar animes interessantes assim, mas eu já tive notáveis surpresas em noites de tédio, onde novamente me vi perdido assistindo um anime do começo ao fim, mas comigo tendo noção que é um anime pra um mainstream diferente do que era o nosso, e é importante entender isso pra conseguir apreciar animes de novo, depois de tanto tempo, onde até mesmo eu fiquei saturado por um tempo.
    Minha recomendação, como sempre, continua sendo o mundo dos mangás, por mais que dê preguiça começar a ler algum, ainda é o ambiente onde os criadores podem arriscar mais, e por isso tem mais espaço para essas obras que ainda fazem nosso gosto, mesmo considerando que o tipo de coisa que eu gosto é diferente do que o que tu gosta.
    Mas reiterando, ainda tem sim, animes que despertam paixão, mesmo para pessoas que não se conectam mais com o mainstream, que querendo ou não é parte do que faz assistir animes tão divertido, mas na falta de sucesso ao menos sobre o amor, e se for pra escolher eu escolho continuar amando animes.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.